sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

MANUTENÇÃO!!!


Olá!! Estamos realizando uma reestruturação em nosso blog e em nosso administrativo, em breve novidades!!!!

domingo, 8 de setembro de 2013

sábado, 7 de setembro de 2013

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Clubex Perde mais um Amistoso e Técnico Prepara Mudanças

O Clube do exército realizou na última terça feita, 03/07, um amistoso contra o Colégio Militar de Brasília. Após passar todos os períodos do jogo a frente do placar a equipe se desestabilizou e deixou o CMB empatar o jogo levando para a prorrogação.Na prorrogação a equipe não conseguiu fazer nenhuma cesta e o CMB aproveitou para abrir 5 pontos de vantagem vencendo o jogo por 76 a 71.

Após a partida o Técnico procurou analisar todas as situação do jogo afim de encontrar os erros e corrigir os detalhes nos próximos treinos. "Não posso mais admitir alguns erros simples da equipe como a falta de postura em alguns momentos, precisamos acabar com esses erros com urgência", disse o Técnico da Equipe do Clubex Basquete.

Assessoria de Imprensa
Clubex Basquetebol

sábado, 12 de maio de 2012

Feliz Dia das Mães!!

A comissão do Clubex parabeniza à todas as mães pelo seu dia!!!

Nossos parabéns a todas vocês!!

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Índices de Eficiência no Basquetebol 1: eles são realmente eficientes?


A partir deste post, discutiremos a questão dos índices de eficiência no basquetebol.

Neste primeiro momento será feita uma abordagem geral sobre o assunto que se estenderá, posteriormente, para a demonstração de estudos que foram e são realizados para relacionar os índices de eficiência com as mais diferentes variáveis do jogo.
Que as estatísticas no basquetebol são uma arma importante para oferecer subsídios para treinadores e atletas terem uma noção do rendimento individual e coletivo ninguém duvida.
As estatísticas, nos últimos 20 anos, assumiram um papel preponderante para que se possa analisar dados dos jogos e estabelecer diversas comparações entre atletas e equipes. Esta é uma herança do basquetebol norte-americano que baseia quase todas suas decisões nas estatísticas dos atletas e das equipes.
Em nível internacional, as estatísticas passaram a ser mais elaboradas a partir da década de 80, o mesmo acontecendo no Brasil quando elas tornaram-se obrigatórias nos principais torneios estaduais e nacionais.
Um aperfeiçoamento das estatísticas foi a criação (ou tentativa de criação) de índices que pudessem estabelecer um perfil mais completo dos atletas que era quase que totalmente baseado na sua pontuação.
Esses índices passaram a ser adotados pelos treinadores que, na maioria das vezes, os criavam sem uma metodologia científica que pudesse embasar essa criação. Na verdade, cada treinador buscava um índice que representasse sua realidade calcada nos seus interesses técnicos e táticos (e isto não é perfeitamente compreensível e aceitável).
Estudiosos passaram a tentar criar fórmulas para expressar os números do jogo com base nos indicadores de jogo (que são as ocorrências mensuráveis em uma partida). Deixou-se de considerar somente o cestinha para se olhar de forma mais global para o atleta. Assim, os rebotes, assistências, bolas perdidas e recuperadas, tocos e faltas passaram a ter uma importância relativa para a obtenção dos índices desejados.
Uma revisão realizada por Telmes, em 2002*,  já apresentava onze diferentes fórmulas para o cálculo de índices de eficiência, muitas delas baseadas em estruturas matemáticas bastante complexas que dificultam a aplicação e o entendimento das mesmas por atletas e treinadores.
A NBA, ACB e, mais recentemente, o NBB adotaram uma fórmula simples para definir os índices de eficiência somando pontos convertidos mais os rebotes, assistências e bolas recuperadas e subtraindo esses valores dos arremessos errados, bolas perdidas e faltas cometidas. A ACB ainda considera como ponto positivo as faltas recebidas.
No entanto, qualquer que seja o índice utilizado, persistem algumas dúvidas que poderão ser exploradas a partir de novos estudos. Por exemplo:
  • É possível estabelecer um índice de eficiência sem se levar em consideração o tempo de jogo de cada atleta?
  • É possível estabelecer um índice de eficiência que não considere as funções específicas de um atleta. Ou seja, seria justo considerar a mesma pontuação para um armador e um pivô para indicadores de jogo que são muito específicos para cada uma dessas posições?
  • Os índices de eficiência realmente se correlacionam com a classificação final das equipes nos campeonatos? Ou seja, as melhores classificadas são realmente as equipes mais eficientes?
  • Podem existir discrepâncias em função do tipo de campeonato (turno completo e play-offs)?
Enfim, são muitas as dúvidas e há muito o que especular para esclarecer este assunto. E isto é muito bom, pois somente assim poderemos evoluir e tornar as estatísticas de jogo cada vez mais importantes e necessárias.

Dante de Rose

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Clubex Parabeniza Filipe Sartório pelo Título com a Seleção Sub-17 feminina



A seleção do Distrito Federal campeã Brasília / DF - A seleção do Distrito Federal conquistou em casa a medalha de ouro do Campeonato Brasileiro sub-17 feminino – 2ª divisão. Na disputa, a seleção da Capital Federal venceu a equipe mineira por 57 a 44. A única derrota do time do Distrito Federal foi exatamente para a seleção de Minas Gerais, na primeira rodada do Torneio (75 a 48). As duas equipes garantiram a vaga no grupo de elite do basquete brasileiro da categoria, em 2013.

SELEÇÃO DO CAMPEONATO  
Armadora:Fernanda Abreu (MG)
Ala-Armadora:Letícia Xavier (MA)
Ala: Letícia de Paula (DF)
Ala-Pivô: Caroline Teixeira (DF)
Pivô: Gessiane Araújo (GO)
Técnico: Agilson Alves (AL)

O reencontro das duas equipes do Distrito Federal e Minas Gerais começou acirrado com uma diferença de dois pontos a favor das donas da casa (16 a 14). No segundo período, as mineiras passaram na frente do marcador e venceram o primeiro tempo (4 a 9, 20 a 23 no primeiro tempo). No segundo tempo, as comandadas por Joaquins Feitosa retornaram a quadra e com a ajuda da torcida venceram a partida (15-7 e 22-14). Arbitraram a partida Fábio Matos (RN), Christian Santos (RO) e Marylucia Silva (AL).

A cestinha do jogo foi a brasiliense Caroline Teixeira com 17 pontos e 11 rebotes. Outro destaque que colaborou com a vitória foi Letícia Isabella de Paula com um duplo-duplo (16 pontos e 15 rebotes), além de três recuperações de bola e quatro assistências. Letícia foi também a mais eficiente da partida com 25 pontos. Pela equipe mineira, Maria Isabella Nunes anotou 15 pontos e sete rebotes. 

(Fonte: CBB)

Parabéns Filipe, que continue construindo seu trabalho!!!

Assessoria de Imprensa
Clubex Basquetebol